Ilustrada no Pop

 

 

Gorillaz na Síria

No domingo passado (dia 25), o Gorillaz fez história.

A banda se apresentou em Damasco, capital da Síria. Foi o primeiro show de uma banda britânica naquela cidade.

Além de Damon Albarn, o cara que criou o grupo, o show teve convidados bem especiais, como Bobby Womack, De La Soul, Paul Simonon e Mick Jones (The Clash), Shaun Ryder (Happy Mondays), além de uma orquestra da Síria e do rapper Eslam Jawaad.

A apresentação aconteceu em uma área ao ar livre de Damasco.

Abaixo, veja o Gorillaz tocando "Dare" na Síria.

Escrito por Thiago Ney às 21h00

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O que Billy Corgan vai levar ao Brasil

Assisti na última segunda (26/7) ao Smashing Pumpkins em Nova York e, dois dias depois, a banda anuncia que virá ao Brasil pela terceira vez, em novembro, para o Planeta Terra.

E o que Billy Corgan, o único remanescente, vai levar ao país dessa vez? É aquele clássico caso do copo meio cheio/meio vazio, ou seja, depende de como você encara, quais são suas expectativas, o quanto você gosta da banda e o que já viu eles fazerem: o show atual, que promove o álbum/projeto "Teargarde by Kaleidyscope" (cujas canções vêm sendo lançadas on-line gradativamente), é melhor do que o que a banda mostrou em sua última passagem pelo Brasil (em 1998, na turnê do "Adore", com um set list que praticamente só tinha músicas desse disco e a banda tocando burocraticamente e com um mau humor contagiante, ao menos no Rio), mas não é tão bom quanto o da primeira vinda, em 1996 (na turnê do "Mellon Collie", com músicas só deste e do "Siamese Dream").

A maior parte do set list da atual turnê é calcada nas canções do último disco (poucas até agora, mas algumas bem interessantes, como "Freak" e "A Stitch in Time", que lembram o material da era 1991-1995) e nas do anterior, "Zeitgeist" (que eu achei uma lástima e que fazem os piores momentos do show). Há ainda algumas canções "perdidas" (como a bacana "Owata" e as malas "Eye" - essa totalmente da era "Adore" - e "Gossamer", com inacreditáveis 16 minutos e que é usada para fechar o show, um equívoco), além, é claro, dos hits: do "Adore" ("Ava Adore" e "Perfect"), alguns do "Siamese" ("Today" e "Cherub Rock", mais a boa "Hummer") e alguns do "Mellon Collie" ("Bullet with Butterfly Wings" e "Tonight Tonight"), que, obviamente, garantiram os momentos mais empolgados do show.

De resto, é curioso notar como a postura de Billy Corgan no palco mudou, certamente um reflexo de tudo que aconteceu na sua conturbada vida e carreira até aqui. Se no show de 1996 ele encarnava totalmente o espírito "despite all my rage I'm still just a rat in a cage" (a cabeça raspada como uma mensagem, assim como o zero que ele vestia, uma mistura de raiva e depressão) e personificava nitidamente cada letra de suas músicas, atualmente ele parece um "tio" careca que acompanha uma banda de jovens admiradores, meio abobalhado, sem foco, talvez tentando fazer a linha "disarm you with a smile" - fala algumas gracinhas sem graça, algumas coisas desconexas, alguns "God bless", pede desculpas aos fãs "old school", diz que é um "marionete" que faz o que plateia mandar... enfim, um personagem bem menos interessante e carismático.

Escrito por Marco Aurélio Canônico às 22h10

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dos Beatles à cozinha

Bob Spitz, jornalista e escritor norte-americano, passou oito anos escarafunchando os Beatles. A jornada ajudou a acabar com seu casamento e resultou em "The Beatles", extensa e detalhada biografia da banda, lançada no Brasil pela Larousse em 2007.

Um tempinho depois, Spitz lançou-se em nova missão. Percorrer França e Itália atrás de bons restaurantes, boas comidas, boas histórias sobre comida. Ele descreve a experiência em "Aprendiz de Cozinheiro", livro que a Zahar coloca à venda no final desta semana.

"Aprendiz de Cozinheiro" é uma delícia. É um texto leve, bem-humorado e cativante.

Antes de iniciar sua viagem, Spitz nos coloca na cozinha de sua casa numa noite de sexta-feira, dia em que costuma receber amigos para preparar pratos como paleta de cordeiro laqueada com molho de pinot noir ou robalo enrolado em prosciutto sobre uma camada de salsa verde.

Como todo bom gourmet, Spitz gosta de ser mimado, paparicado. Gourmets levam a comida muito a sério. No universo dos relacionamentos, existem duas leis: 1) Quando uma mulher perguntar se está gorda, sempre diga 'não'; 2) Quando uma mulher perguntar se está bonita, sempre diga 'sim'. No universo dos gourmets, há a seguinte lei: 1) Quando um anfitrião te perguntar se a comida está boa, sempre diga 'sim'. Você pode xingar a mãe de um gourmet, mas nunca diga que ele cozinha mal.

Spitz brinca com suas neuroses na cozinha, com seu desespero, ansiedade. Fica angustiado com a namorada que parece não ver muita diferença entre saborear um filé de bacalhau ou pedir uma pizza. E ele leva esse espírito tanto a restaurantes de Paris como a vilarejos italianos.

"Aprendiz de Cozinheiro" é apaixonante. Aposto que até a namorada do Spitz adorou.

Escrito por Thiago Ney às 16h48

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Hora de Lemonade

Uma das novas bandas americanas de que mais gosto é o Lemonade, trio originalmente de San Francisco mas atualmente baseado em Nova York.

E são responsáveis por um dos eventos mais esperados por mim neste ano. O Lemonade fará uma turnê pelo Brasil em setembro. Já há uma data fechada: 11/9, no Estúdio Emme, em São Paulo. Eles devem ir ainda a Campinas e outras duas cidades do país.

Atualização: o grupo toca em Campinas no dia 28 de agosto, no Bar do Zé, na Festa Rock 'n' Beats.

O Lemonade é parte do imparável selo True Panther, que lança coisas como Girls, Tanlines, Delorean, Magic Kids e outros.

Músicas dançantes cheias de percussão, de baixo e de clima festivo fazem parte do repertório do Lemonade.

Abaixo, a linda "Lifted".

Escrito por Thiago Ney às 15h50

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Férias = leitura em dia

1) "Desde o começo de sua carreira Madonna foi uma manipuladora pop sagaz, usando visuais ultrajantes como distração enquanto inseria ideias sobre religião e política social em sua música. A maior parte da geração Gaga, no entanto, está interessada na distração como um fim em si mesmo." Não sei se concordo com a tese (porque acho que esse status intelectual/questionador da Madonna foi uma leitura posterior do fenômeno, mais do que a ideia fundadora do mito), mas o artigo em que Jon Caramanica, do "New York Times", compara o feminismo da atual geração de Lady Gaga com o da anterior (a turma do Lilith Fair, que está de volta em turnê no atual verão americano, e em baixa) é bem interessante de ler

2) "Em sociedades tradicionais, onde os equívocos são observados, mas não necessariamente gravados, os limites da memória humana garantem que os pecados das pessoas sejam esquecidos eventualmente. Em comparação, nota Mayer-Schönberger, uma sociedade em que tudo é gravado 'vai nos acorrentar para sempre a todas as nossas ações passadas, tornando impossível, na prática, escapar delas.' Ele conclui que 'sem alguma forma de esquecimento, perdoar se torna difícil'." Pois é, a web significa o fim do esquecimento, e as implicações disso estão cada vez mais sendo discutidas.

3) Férias = shows também, ainda mais em NY; nesta semana a revista "Spin" celebra seus 25 anos com uma série de cinco shows (com cinco horas cada, incluindo bandas de abertura) que começa hoje com o Smashing Pumpkins e segue com Flaming Lips, Black Keys, The National e Spiritualized, um em cada dia da semana, todos com transmissão ao vivo pela internet. Tenho ingresso para os Pumpkins, Lips e National.

4) "Inception"? Sensacional. Duas horas e meia totalmente preso na tela. Vou precisar ver de novo pra tentar responder a todas as perguntas que ele gera (acho que algumas não têm resposta por buraco no roteiro mesmo), e olha que eu li a HQ on-line que serve de "prequel" antes de assistir ao filme - não adiantou muito, apesar de se passar antes da história na tela, só dá pra entendê-la por completo depois de ver o filme (e ela tem um visual horrível, ao contrário do filme). Um blockbuster que faz pensar e que gera discussões acaloradas (não só sobre o significado da história, mas sobre a qualidade do filme). Há quanto tempo não pintava um desses.

Escrito por Marco Aurélio Canônico às 18h39

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Kings of Leon e os pombos

Sério.

Já tinha visto várias desculpas para uma banda sair do palco. Gente que atira garrafas, copos, pilhas; má iluminação de palco; equipamento de som ruim; invasão de palco. Mas o Kings of Leon se superou.

Ontem (23 de julho), a banda norte-americana tinha show no Verizon Wireless Amphitheater, em St. Louis (EUA), quando, após três músicas, o quarteto saiu. E não voltou mais.

Depois de alguns minutos, foi anunciado que a apresentação havia sido terminada devido a "questões de segurança". Ninguém entendeu nada e começaram a vaiar a banda.

O baterista, Nathan Followiil, foi ao Twitter e justificou:

"Desculpa, St. Louis. Tivemos que cancelar, pombos estavam fazendo cocô na boca do Jared [baixista do KoL] e não era nada higiênico continuar".

Outro tweet dele:

"Não culpem o Jared. É culpa da porra do lugar. Você pode gostar de levar cocô, mas nós não. Desculpa a todos que tiveram que viajar por várias milhas".

(Agora Nathan protegeu sua conta do Twitter.)

Segundo o Gigwise, o caso até levou alguns fãs a criarem o @KOLPigeon.

Abaixo, vídeo do pós-show em St. Louis.

Portanto, SWU, cuidado. Arme esquema forte para evitar que pombos sobrevoem o evento em Itu durante o show do Kings of Leon. Vai que...

Escrito por Thiago Ney às 16h25

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Apanhador

Tô pra escrever aqui há algum tempo sobre o Apanhador Só, grupo do Rio Grande do Sul que depois de dois EPs lançou seu primeiro disco (em maio, acho).

Na sexta-feira passada eles tocaram em SP, numa noite promovida pela Confraria Pop. Não pude ir, vou tentar ver o show no Berlin em 12/8.

Já li comparações entre o Apanhador Só e Los Hermanos. Não vejo muita relação, a não ser o idioma. Enquanto o LH parece perseguir o samba antigo com uma certa melancolia forçada que não me desce bem, o Apanhador Só tem músicas "roqueiras", com boa energia e força. E humor.

O disco, homônimo, é um achado. E tem algo que falta a muitos grupos daqui: o vocal é redondinho, bem gravado, sem arestas.

No site da banda dá pra fazer o download do disco. Minhas prediletas: "Um Rei e o Zé" e "Maria Augusta", cujo clipe está abaixo.

Escrito por Thiago Ney às 17h19

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bill Murray

Em sua breve participação no divertido "Zumbilândia", Bill Murray faz piada com sua presença no péssimo "Garfield" (no qual ele dubla o gato gordo). Mas a explicação sobre o porquê de ele ter aceitado fazer o filme é ainda melhor: ele achou que fosse um filme dos irmãos Coen, com quem sempre quis trabalhar. Tudo porque um certo Joel Cohen assina o roteiro do filme.

A história está contada em uma boa (e rara) entrevista, à revista "GQ".

Escrito por Marco Aurélio Canônico às 13h23

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Caribou em novo festival em SP

Um novo evento movimentará este já movimentado segundo semestre.

É o FourFest, mini-festival que terá como atração principal o excelente Caribou.

A primeira edição do FourFest rola no dia 27 de outubro (uma quarta-feira), no clube Clash, em São Paulo.

O preço do ingresso ainda não foi definido. A noite terá, além do Caribou, outro nome gringo.

E, pelo que eu soube, o FourFest colocará suas bandas para tocar em horário decente. Ou seja, por volta da 1h, o evento já terá terminado e todo mundo poderá dormir relativamente cedo.

*****

O Caribou, do canadense Daniel Snaith, 32, é responsável por um dos discos do ano, "Swim", lançado lá fora em abril.

Se em estúdio Snaith é quem compõe e produz todas as faixas, ao vivo ele tem a ajuda de músicos, que se revezam em bateria, sintetizadores, baixo etc. É essa formação que vem ao Brasil.

É difícil classificar o Caribou. É eletrônico, mas é também pop e psicodélico, como atesta a intensa "Odessa".

"Swim" sucede a "Andorra", disco não menos elogiado lançado em 2007 e que trazia, entre outras, a linda "Melody Day".

*****

Outros festivais deste segundo semestre em SP:

Nova: Cultura Contemporânea - até 15 de agosto, no MIS e no Sesc Pompeia (com Fuck Buttons, Chicks on Speed, entre outros)

Creators Project - 14 de agosto, galeria Baró (com DJ set do Mark Ronson, Emicida, NASA)

Tribaltech - 21 de agosto, Itu (com Derrick Carter, Satoshi Tomiie, Marcelo D2, Céu, Bonde do Rolê)

SWU - Entre 9 e 11 de outubro, Itu (com Regina Spektor, Kings of Leon, Erol Alkan, Jota Quest, Capital Inicial)

Natura About Us - 16 de outubro, Chácara do Jockey (Air)

XXXPerience - 14 de novembro, Itu (DJ set de Calvin Harris, Paul Van Dyk)

Planeta Terra - 20 de novembro, Playcenter (Phoenix, Hot Chip)

Escrito por Thiago Ney às 17h38

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Grace Jones

Você já ouviu Janelle Monáe, certo?

Bem, uma das principais referências na música da Janelle é Grace Jones, americana nascida na Jamaica que começou a lançar discos no final dos anos 1970.

Seu primeiro grande álbum é "Nightclubbing", de 1981, que trazia o hit "Pull Up to the Bumper". Depois Jones teve discreta carreira como atriz (participou até de filme do 007).

Nos últimos anos, ela vem sendo, digamos, redescoberta, sendo chamada para vários festivais ao redor do mundo.

Como o inglês Lovebox, ocorrido há pouco. Ela fechou o evento, após show do Hot Chip.

Abaixo, Grace Jones no Lovebox, com a ótima "Slave to the Rhytm".

Escrito por Thiago Ney às 15h35

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Delicadeza

O XX se apresentou na semana passada (13 de julho) em uma série de shows que rola na Somerset House, espaço lindo, ao ar livre, na região central de Londres, com vista para o Tâmisa.

Acho que é o lugar perfeito para a música do XX: delicada, detalhista, lenta, emotiva.

Vários já me falaram não gostar do XX ao vivo. A música meio que se perde; é monótono; falta vibração.

Não concordo. Sempre que vejo/ouço, a banda me pega e não solta. 

Veja a banda em "Infinity".

Escrito por Thiago Ney às 17h47

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Psicopata Americano

Um dos escritores que mais li, que mais me divertiram, impressionaram, foi o norte-americano Bret Easton Ellis. Adorava como ele costurava histórias de gente jovem com habilidade, humor, auto-ironia. Há tudo isso em "Regras da Atração" e "Psicopata Americano".

O primeiro livro de Ellis, hoje com 46 anos, foi "Abaixo de Zero". Foi um livro que de certa maneira ajudou a definir a Geração X, termo que foi criado pelo escritor canadense Douglas Coupland no romance de mesmo nome, para classificar os filhos dos baby-boomers (este últimos, nascidos no pós-guerra, nos anos 1940, início dos anos 1950), gente mais ou menos bem de vida que não tinha contra o que lutar, a não ser o tédio (veja também o filme "Singles: Vida de Solteiro"). 

Bem, Ellis acaba de lançar a continuação de "Abaixo de Zero", "Imperial Bedrooms". Não li e confesso que não estou muito a fim. Primeiro porque "Lunar Park", o anterior de Ellis, que é uma das obras mais pretensiosas e ocas que já vi; segundo, porque escrever uma sequência de um livro é algo que me cheira a falta de ideias.

O "Guardian" aproveita para fazer uma pequena entrevista com Ellis. O escritor, por exemplo, relaciona o amor com sadismo e masoquismo; diz que não vivemos, não damos importância ao tátil, pois estamos em uma era em que tudo é digitalizado e a tecnologia nos impede de sentir; e não enxerga moralismos em seus livros, como em "Psicopata Americano" (ótimo livro; bom filme).

*****

Tô em uma fase Ariel Pink.

Vi na "Fader" que saiu um novo vídeo do Haunted Graffiti, banda formada pelo cara com outros três músicos. O vídeo é para "Mistaken Wedding".

Abaixo, um dos singles do disco do Haunted Graffiti, "Round and Round". 

Escrito por Thiago Ney às 16h18

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

NY

Vou passar os próximos 45 dias em Nova York, e a temporada promete bons shows. Já na sexta passada fui ver o Weezer no Williamsburg Waterfront, um terreno na beira do East River, com um visual incrível da cidade (esse na foto acima). O mesmo lugar ainda vai receber bandas como Modest Mouse (que eu vou ver) e Primus + Gogol Bordelo (idem),  Belle & Sebastian e Pavement (esses dois já depois da minha volta).

 

O Weezer fez um bom show, com um repertório cheio de velhos sucessos, ainda que não tantos quanto na passagem pelo Brasil. Gostei de ouvir "Dope Nose" e "Keep Fishin" (essa, apenas um trecho, no meio da nova "Trippin' Down the Freeway", do fraco "Raditude"), duas que eu acho ótimas e que eles não tocaram em Curitiba; "Pork and Beans" e "Troublemaker" também são bem legais, das melhores da banda nos últimos anos (e que, por isso, também não estiveram no show brasileiro). Em compensação, não teve "In the Garage", "Photograph", "Don't Let Go" nem "The Good Life", que ajudaram a fazer um show histórico em Curitiba.

Já na hora da cover, a mistura de "Kids" com "Pokerface" ficou bem mais interessante do que a versão de "Big Me" em 2005.

 

Escrito por Marco Aurélio Canônico às 02h03

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Believe the hype

Não sei se acontece com vocês, mas às vezes eu ouço falar tanto (e tão bem) de um artista novo, cria-se um hype tão grande que me dá uma certa preguiça (pra não dizer antipatia) e eu acabo nem indo atrás pra ouvir e tirar uma opinião. É claro que essa postura é meio boba, porque às vezes o hype é justificado - quando você ouve, descobre que o tal artista realmente é bom pra caramba.

O caso mais recente desses a acontecer comigo foi a Tiê: logo que ela começou a despontar, antes mesmo de lançar o disco, o que eu mais ouvia era gente falando bem dela - muita gente que já a conhecia pessoalmente, por círculos de amizade etc. Foi o mesmo Carnaval de quando a Céu começou a despontar. Resultado: preguiça total, não fui atrás de ouvir nem uma música.

Aí eis que estou eu num voo de 10 horas de duração, sem maiores possibilidades de diversão além dos CDs que estavam disponíveis no sistema de som do avião - e um deles era o "Sweet Jardim", da Tiê. Comecei a ouvir e gostei de saída, e ouvi inteiro, e ouvi umas três ou quatro vezes na íntegra. Me pareceu uma Mallu Magalhães 15 anos mais experiente, e isso nem é uma crítica. É um disco muito, muito bom. "Quinto Andar", "Chá Verde" e "Stranger but mine" são realmente encantadoras. E cá estou eu me juntando ao hype em torno da moça (falta ver ao vivo, é claro).

Já da Céu eu não gostei mesmo (nem depois de ouvir).

Escrito por Marco Aurélio Canônico às 00h56

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Calvin Harris em SP

Autor de "Merrymaking at My Place", o produtor e DJ escocês Calvin Harris fechou contrato para tocar na ex-rave hoje festival XXXPerience.

A XXXPerience rola em 14 de novembro, na fazenda Maeda (o mesmo local do SWU), em Itu, e terá quatro palcos.

Além do Calvin Harris (que fará DJ set, não show), o festival terá o alemão Paul Van Dyk.

Abaixo, "Flashback".

Escrito por Thiago Ney às 17h48

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Imagem do dia

                                                       Charles Gallay/France Presse

Latoya Jackson.

Escrito por Thiago Ney às 17h52

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Música de quarta

São Paulo hoje está cinzenta, mal-humorada, chuvosa, ranzinza.

Uma música que melhora qualquer humor.

Escrito por Thiago Ney às 17h08

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

De Winehouse a M.I.A. (e Best Coast)

E a M.I.A. está tomando pauladas de todos os lados pelo disco "/\/\/\Y/\", que ela acaba de lançar.

A "Entertainment Weekly" diz que é apenas "noise industrial"; para o Pitchfork, o álbum é "uma bagunça"; "MIA tenta encontrar um lugar na música pop", afirma o Popmatters; já o "Chicago Tribune" avalia que a cantora tenta se "equilibrar entre o underground e o pop".

O fato é que "/\/\/\Y/\" era um dos discos mais esperados do ano. Culpa do enorme impacto causado por "Kala", seu disco anterior, que sintetizava uma série de sons e sentimentos de diversas partes do mundo e trazia, além disso, a frenética "Paper Planes", que se tornou hit na internet, nas rádios, no cinema, em comerciais.

E "/\/\/\Y/\" não corresponde. M.I.A. parece ter se apegado à imagem de gangsta rapper que foi associada a ela; se nos discos anteriores ela conseguia explanar incoformismos e críticas misturando bhangra, funk e electro de uma maneira fluida, divertida, aqui, ela confunda "atitude" com batidas pesadas, com letras violentas, mas ocas (é o caso, por exemplo, de "Born Free", o primeiro single).

M.I.A. chegou a criticar Lady Gaga, dizendo que Gaga copiava seu estilo. Bem, ouça "XXXO" e veja quem copia quem.

"/\/\/\Y/\" é uma decepção. M.I.A. está perdidinha.

Abaixo, M.I.A. canta "Born Free" no David Letterman.

*****

Quem estava perdidinha, mas parece ter encontrado um caminho é a rainha Amy Winehouse.

Segundo o tabloide britânico "Daily Mirror", ela anunciou para o início de 2011 seu terceiro disco e que teria material para lançar três discos.

*****

Já falei bastante de Best Coast aqui, né?

Bem, abaixo, ouça "All Summer", faixa que traz Best Coast, Kid Cudi e Rostam Batmanglij (do Vampire Weekend), e me diga o que achou.

Escrito por Thiago Ney às 16h48

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Escolhas erradas e tragédias do Spirit

Esse texto saiu hoje em papel; aqui, com vídeos para dar uma ideia do que era o Spirit.

*****

A história do rock está cheia de bandas e artistas que poderiam ter sido, mas nunca foram. Gente que tinha tudo para dar certo, mas, por uma razão ou outra, encontrou não o sucesso comercial, mas o ostracismo. É o que ocorreu com o Spirit.
Para colocar em perspectiva: nos anos 1960, o Led Zeppelin chegou a abrir shows do Spirit. O "arty rock" e até o rock progressivo devem muito a esta banda formada em Los Angeles em 1967.
Um dos discos que melhor representa o rock dos anos 70 é "Twelve Dreams of Dr. Sardonicus", que completa 40 anos neste 2010.

Com influências do jazz e da música negra americana, o Spirit foi fundado pela guitarrista e vocalista Randy California (ele já havia tocado com Jimi Hendrix pouco antes).
O primeiro disco veio em 1968 e não fez muito estardalhaço. No ano seguinte, lançaram "The Family That Plays Together" e, aí sim, ganharam certo reconhecimento, galgando bons lugares na parada norte-americana.
Jimmy Page tornou-se fã do Spirit e o Zeppelin saiu em turnê com o grupo pelos Estados Unidos.

Então surgiu um momento crucial na história do Spirit. Organizadores de um novo festival nos EUA estavam selecionando bandas para tocar no evento. Era um projeto ambicioso, mas inédito e, por isso, sem nenhum lastro. Convidaram o Spirit, disseram que o colocariam para tocar antes de Hendrix, mas os empresários da banda declinaram.
Para eles, mais importante do que participar de um novo festival, era concentrar na turnê do terceiro disco do Spirit.
Bem, em agosto de 1969 o Woodstock foi montado. Sem o Spirit.

Randy California e os outros integrantes da banda perceberam o erro em não participar daquele megaevento. A banda encontrava-se em um momento delicado. Decidiram arriscar. Inspirados por George Orwell, compuseram "1984". Procure na internet. Ainda hoje, "1984" soa muito bem.
Aconselhados por Neil Young, os músicos chamaram o produtor Dave Briggs para ajudá-los na preparação daquele que seria seu principal álbum, "Twelve Dreams of Dr. Sardonicus". O disco é um belo amontoado de referências díspares: jazz, psicodelia, rock progressivo, blues, country. E contém "Nature’s Way", talvez a mais representativa música do Spirit.

Randy California deixou o Spirit após "Twelve Dreams of Dr. Sardonicus". A banda não encerrou atividades, mas caiu numa espécie de auto-paródia. California era a alma da banda, e os outros integrantes embrenharam-se num rock simples e anódino. California seguiu em carreira solo. Nunca fez grande sucesso comercial. Noa anos 1980 e 1990, o Spirit tentou um retorno, fez excursões pelos EUA e Europa.
Mas uma tragédia acabou definitivamente com a banda. California estava nadando com o filho em uma praia no Havaí. O filho estava se afogando. California conseguiu o tirar da correnteza. O menino se salvou; California, não.

Escrito por Thiago Ney às 13h40

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Best Coast, Miike Snow, Walverdes

Tchau, polvo Paul, Diego Forlán, Sara Carbonero. Bem-vindo, Best Coast.

Já até escrevi aqui sobre o Best Coast, dupla americana que fez a espetacular faixa "Boyfriend".

No Best Coast, da vocalista Beth Cosentino, encontra-se Beach Boys, festa, melancolia, guitarra rápida.

Eles acabam de lançar o primeiro disco, "Crazy for You". O "Guardian" colocou em seu site todas as faixas do disco, para streaming.

Confesso que ouvi boa parte do disco e ele ainda não desceu. Talvez porque eu tenha ficado tão impressionado com "Boyfriend", mas várias das faixas ali me pareceram variações de um mesmo tema, um surf-pop quase etéreo.

Não queria não gostar do disco do Best Coast, por isso vou dar mais chances a ele. E o álbum ainda tem "When I'm With You", balada bem bonita que você pode ver/ouvir abaixo.

*****

O bom grupo dance-indie Miike Snow (pronuncia-se "maique" ou "miique"? Já ouvi gente falando dos dois jeitos) tem shows marcados no Brasil em setembro.

Me passaram que eles vêm para mais uma edição do Popload Gig, evento capitaneado pelo incansável Lúcio Ribeiro.

Donos do hit "Animal", o Miike Snow colocou em seu site as seguintes infos:

Estúdio Emme (São Paulo): 22 de setembro

Circo Voador (RJ): 23 de setembro

Becco (Porto Alegre): 24 de setembro

Mas, peraí: no dia 23 de setembro não vai rolar Crystal Castles no Circo Voador? Será que a noite terá Miike Snow + Crystal Castles?

*****

Pra terminar, vá aqui e baixe/ouça duas faixas novas do Walverdes, trio gaúcho de rock rápido, básico, primal.

Escrito por Thiago Ney às 16h03

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Boyfriend

Fui obrigado a interromper a temporada Copa do Mundo para colocar aqui a excepcional "Boyfriend", nova faixa do duo Best Coast.

A dupla, liderada pela voz angelical (e sexy) de Bethany Cosentino (há ainda o multi-instrumentista Bobb Bruno), traduz o espírito do rock dos anos 60 (tipo Ronettes) em belas melodias ruidosas.

Ficaram conhecidos há um tempinho com "Sun Was High" e com a linda, linda, linda "When I'm With You".

O mais recente tesouro da dupla é "Boyfriend", que você ouve (e se apaixona) abaixo.

 

****

E você viu que o Air anunciou turnê no Brasil?

É para ficar empolgado. "Talkie Walkie", de 2004, é dos discos mais bonitos dos anos 00.

Escrito por Thiago Ney às 20h55

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"A internet já era"

"A internet já era. (...) A internet é como a MTV. Em certo momento a MTV foi quente e de repente ficou ultrapassada. De qualquer modo, esses computadores e gadgets digitais não prestam. Eles enchem sua cabeça de números, e isso não pode ser bom."

Prince, em entrevista ao "Daily Mirror", tabloide no qual vai distribuir seu novo CD, encartado na edição do próximo sábado, como já fez antes.

 

Escrito por Marco Aurélio Canônico às 20h42

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Ilustrada no Pop é uma extensão da cobertura do caderno Ilustrada da Folha.

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.